Palavras ao Vento

ano VIII ...entre os catetos da hipotenusa e os versos do soneto...

velhas novidades

Publicado por Cristiano Nadai under , on domingo, março 02, 2008

Já posso fazer pesquisa com meus dias
Cada minuto é exatamente igual
como 2 + 2 é quatro
oque eu faço amanhã, já fiz ontem

Já cansei de buscar velhas novidades
hoje as encontro nos museus
o ponteiro do relogio sempre dá duas voltas
e sobre o que esta rolando, falo com meu avô

Claro que o mundo evoluiu
trocou braços e cavalos-vapor
por simples impulsos digitais
mas minha vida, à anos congelou

Da dinâmica do mundo eu me perdi
até corri atrás depois, mas
era tarde, de tanto que insisti
eu me cansei e meu tempo se quebrou

...As horas passam,
mas os fatos ficam no mesmo lugar...

...Há poeira nos sonhos
e já é ferrugem, a vida
escondida pela sua artrose
chora, na espeança perdida...


em off - ganhei duas vezes o melhor selo até hoje, da Camila e da Bia... Obrigado queridas, no proximo eu posto! Ah, ainda falta muita coisa para acertar, continua em obras, mas a Nau das Lamentações ja esta aberta à visitas rs

15 deixaram suas marcas:

biazinha disse... @ 3 de março de 2008 02:20

Estamos sempre em busca de novidades, com o tempo descobri que os fatos não estão externos a nós mesmos.
Sim o mundo evoluiu, mas em sempre nós conseguimos evoluir o quanto queriamos.
Se há poeira nos meus sonhos procuro faxinar a casa do meu pensamento.
Excelente post!
Vc mereceu os selos!
Vou te linkar no meu bloguinho pra te visitar sempre, tá?
Bjuxx.
^^

Camila Libanori disse... @ 3 de março de 2008 10:35

Ah como é bom conversar com meu vovô. Fecho os olhos e me imagino naquela época onde o munod ainda era mais puro!

E o selo mais que merecido neh!

bjO!

Camila Libanori disse... @ 3 de março de 2008 10:58

Fico muiiitttoooo feliz que tenha gostado!
Vou me dedicar um pouco mais a esse tipo de escrita daqui pra frente!

bjO!

MH disse... @ 3 de março de 2008 18:32

Lembro de uma vez que vi uma peça mambembe, e no começo entrava um robo que dizia "TODOS OS DIAS A REPETICAO DOS ATOS...TODOS OS DIAS A REPETICAO DOS ATOS". Ate hoje isso me atormenta. Rotina é terrivel.

"a vida escondida pela sua artrose"..lindo isso..parabens!

tarciso disse... @ 4 de março de 2008 10:32

Ô Cris... gostei muito do teu poema, apesar dele ser meio down, e amei o verso "e sobre o que esta rolando, falo com meu avô"... isso me dá esperanças de que o diálogo entre gerações não se extinga!

Maria disse... @ 4 de março de 2008 13:40

Ah, a rotina. Nos deixa meio robotizados, fazendo tudo no automático, sem tempo de parar e se perguntar o porquê.

beijos

Grazy disse... @ 4 de março de 2008 16:41

Oiiii saudades de vcc...

sumiu!!!

então naum queira mesmo ver uma virginiana brava askoaksoask


>.<

me add no msn

grazy.sjc@hot..
]

bjinhus

perfeitinhuuu

=]

Bia disse... @ 4 de março de 2008 16:53

Ei Cris!
Bom, sou obrigada a comentar nesse post.
Primeiro pq a rotina nos traz desanimo e falta de fôlego. Correr dela é mais que necessário.
Segundo, nossa..como eu gostava de conversar com meu avô..sinto tanta falta dele. As lágrimas caem só de pensar nele parado no portão dizendo meu nome.
Tercerio..o mundo não vai parar de evoluir -fato- mas cada um tem seu tempo e seguir essa geraçao gunbound é completamente desnecessário. Descobrir as coisas boas da vida, todo dia, é que fazem a real diferença.
Quarto.. amei isso: "eu me cansei e meu tempo se quebrou" - senti que veio da alma.
Da sua alma.
Quinto, se seus sonhos estão empoeirados e se acha que já não há esperança, vc precisa dar uma saculejada na vida já!
Perder as esperanças é o pior que pode te acontecer querido..sem ela, não existem sonhos.
Sonhos, são essenciais.
Pelo menos pra mim!
bjussssss
Lindo demais o texto ta!

Bia disse... @ 4 de março de 2008 16:56

Ahh esqueci.. adorei a foto do gatinho gordo!! ^^

Cin disse... @ 4 de março de 2008 22:02

"Da dinâmica do mundo eu me perdi
até corri atrás depois, mas
era tarde, de tanto que insisti
eu me cansei e meu tempo se quebrou"

Isso é tão eu em certos dias...

Adorei Cris!

Bjinhos!

biazinha disse... @ 5 de março de 2008 01:58

Cris, fiz post novo!

♥ Grazy disse... @ 6 de março de 2008 08:43

OOOiii.. q bom que vc deu sinal de vida..^^

que bom que me add lah.. a gente va c falar mais..^^

e olha que eu toh preciasando mesmooo

faz facul??
de q??

q boooomm...

sauaddse naum me esqucee


bju

biazinha disse... @ 6 de março de 2008 13:32

Ahhhh, claro tem que ter..imagina...passar em branco pra mim seria a morte.
Agora realmente...tem comentários que ngm merece né? Era melhor não deixar nada escrito. Aqui ngm obriga ngm a comentar nada.
Essas pessoas acabaram sumindo do meu cantinho...e ainda bem..rsrsrs.
Beijos.

Pankwood disse... @ 7 de março de 2008 13:57

Este poema é de sua autoria ? A parte "oque eu faço amanhã, já fiz ontem" vai virar nick do meu msn ! =P

Osc@r Luiz disse... @ 13 de março de 2008 13:53

... e Novas Velharias!
A vida oxida, corrói e destrói o que é ruim e conserva e imortaliza o que é bom.
Se com alguém está acontecendo o contrário, é porque alguma coisa está errada.
Um abraço, meu amigo!
Parabéns pelo merecido selo.

Postar um comentário

...entre os catetos da hipotenusa e os versos do soneto...

Não limpe os pés antes de entrar...
Tire os sapatos e sinta-se a vontade!
A casa é sua, só peço um pouco de educação e que não venha simplesmente colar uma plaquinha com o seu endereço... No mais, liberdade de expressão é tudo oque há!
Obrigado pela visita e volte sempre, Será bem vindo :)
- Obs: favor deixar algum link (vale facebook, twitter...) ou email em que eu possa responder
- Obs 2: Se preferir, utilize o formulário para contato

 

Palavras ao Vento!

Versos, prosa e erros ortográficos, tudo em conflito!
Verbos se tornam pronomes e do adjetivo se faz um ser... Sob a brisa da madrugada, marés de ideias se colidem e formam Palavras (ao Vento). Se o resultado é bom ou não, só você pode dizer...

:banners:

Protected by Copyscape Duplicate Content Software

Socialize:

Add to Technorati Favorites Arts & Entertainment Blogs - Blog Catalog Blog Directory

Comentando..

Dose diária de poesia?