Palavras ao Vento

ano VIII ...entre os catetos da hipotenusa e os versos do soneto...

Esses versos são sobre gratidão, morena.

Publicado por Cristiano Nadai under , on sexta-feira, novembro 07, 2014

Agora, que a poeira baixa
O caos se acalma
E eu posso brindar à paz,
Consigo enxergar um pouco mais claro...

Não vou buscar explicações
Ou tentar rever qualquer cena
Uma relação é sempre escrita em duas mãos
Então só lhe ofereço um brinde
E esses versos simples, em gratidão

Não vou dizer que me frustrei, ou negar
Mas isso depende das expectativas que criei
E se diz mais à mim, do que à você

Não vou dizer que erramos,
Errado seria dizer que não deu certo
Independente do recorte do tempo

Nós sabemos o quanto valeu a pena
E que se não fôssemos nós
Não poderia ter sido amor
Não naquele momento...

Respeito os teus novos silêncios
E se não me faço presente,
É por respeito ao teu direito a ausência...
(E um pouco de defesa, confesso)

Deixo a vida seguir sua trilha
Entre chegadas, despedidas e reencontros,
Quem sabe quais as surpresas na próxima esquina?

Sei que já não somos os mesmos
E mudamos muito em poucas luas
Mas das nossas qualidades
O diálogo e respeito à diversidade
Sempre estiveram entre elas
E mesmo de ângulos opostos
Enxergamos quase as mesmas cenas...

Preciso nos perdoar para ainda acreditar no amor
(Não que tenha algum pedido ou o que ser desculpado)
Mas foi você quem me mostrou o lado mais bonito
E em ultima instância, morena
Apelo ao clichê de cinema:
Sou grato pelo nosso pequeno infinito.

/Cristiano Nadai.

Em off: [...]

Dilma x Aécio, segundo turno, lá vamos nós...

Publicado por Cristiano Nadai under , on sábado, outubro 25, 2014

Difícil escolher quando todas as opções parecem perdas e aquilo que se mostra virtude, se confunde nas maquiagens de marketing.

Alternância de poder é uma ideia bonita, quando não são os mesmos que patrocinam as entrelinhas, e as bandeiras que levantamos não estejam sujas da mesma lama que apontamos na camiseta adversária (e não é o teu partido acusado de comprar o direito à reeleição).
Também me parece que não se devia limitá-la apenas ao cargo do executivo federal, ou para o legislativo e governo do estado ela não seria igualmente importante? Não acho que uma situação negue a outra, mas que todos deveriam ser lembrados se também são co-responsáveis por situações que estão sendo insatisfatórias.

Me assusta (embora não surpreenda) o conservadorismo a escorrer atualmente pelas midias sociais, ameaçando deixar marcas nas páginas de quem tem menos chances de se defender, de quem é socialmente minoria. Me assusta (embora não surpreenda) perceber que a direita, que agora tem representantes de forma clara o bastante para começar a justificar tal divisão, se apresente como maior herdeira das manifestações de junho de 2013, a julgar pelos resultados na urna eleitoral.
Somos uma geração que se diz tão moderna e aberta, mas se mostra mais careta e reacionária do que os nossos pais, que cresceram realmente à sombra da ditadura. Somos uma geração que louva militares com ligação ao regime de 1964 que reclamam de suposta falta de liberdade de imprensa e tentativa de instaurar uma ditadura - acho que coerência não rende votos meus caros.

Se dissesse que tudo está ótimo, eu certamente estaria vivendo num universo paralelo. O PT realmente decepcionou em meio à tantos escândalos de corrupção e a negativa dos mesmos. Mas pela primeira vez na história desse país os crimes em meio político estão sendo investigados (o cargo de "engavetador geral da nação" foi revogado). Joaquim Barbosa, que foi alçado à posição de herói e guardião da justiça, teve o seu cargo escolhido pelo Lula... Mas a gente bate o pé que corrupção é só coisa de "petralha". O discurso de combate a corrupção é muito válido, se não falassemos em substituir por alguém tão sujo quanto, embora apanhe menos da imprensa. Ditadura comunista, intensão de transformar o Brasil em Cuba... Alguém leva mesmo isso a sério?

Não podemos tirar a responsabilidade dos estados e municípios nas políticas públicas também (sim, você paga os salários do executivo e legislativo deles por algum motivo e há leis especificando o papel de cada um) e ao menos em São Paulo esse ar de renovação não soprou mesmo após duas décadas - lembrando que foi a polícia do Alckmin que mais reprimiu os populares em junho (o que já é tradição...). É incoerente se proclamar herdeiro e messias de algo que o seu partido repreendeu... Mas tudo bem, isso não sai nos artigos da Veja.

Pelo pouco que observei, me parece que os eleitores do Aécio em grande parte não votam a favor dele mas contra o PT, e a mesma situação ocorre com os eleitores da Dilma. Talvez nulo e branco seriam os candidatos mais coerentes para a maioria (eu incluso) nesse segundo turno.
Se você leu o plano de governo dos candidatos, escutou as propostas (e isso raramente se viu na televisão ou nas redes sociais) e acha que A ou B é melhor, ótimo. Agora se a escolha por um é apenas uma negativa pelo outro... Sinto muito, sinto muito pelo Brasil.
Me resta desejar que seja feita a vontade da maioria e que seja a escolha com menor preço - e que a consciência politica vá além de digitar números à cada dois anos numa máquina.  Talvez o maior saldo positivo dessas eleições tenha sido esse maior envolvimento popular, embora ainda em clima de torcida de clube de futebol... Que isso não se perca durante os próximos 4 anos de governo, independente de quem vencer.

Em off: Texto (mal) rabiscado logo após o segundo turno, mas quis poupar quem ainda passasse por aqui rs.
Em off, mas não tão off: Não tenho pretensão de provocar algum debate isento, se nem as mídias profissionais o fazem - Veja, rede Globo, Folha de SP e cia? haha, mas ao menos assumo a minha posição e não preciso me disfarçar como jornalismo impessoal. Não sou mensageiro de verdade absoluta alguma - quem é?, a maioria que escolherá quem sairá eleito... Mas eu não voto em quem levanta bandeiras oportunistas como a redução da maioridade penal, por exemplo. Ainda mais de forma confusa que permita ao juiz escolher quem será julgado como "adulto" ou "adolescente"... Sabemos claramente que os presídios ainda tem cor e classe social no Brasil e isso não se muda em uma geração infelizmente, mas isso fica para outra discussão. (Proposta do Aécio e um breve comentário sobre a pec 33/2012 em artigo da página Conteúdo Jurídico).

Boa eleição, Brasil! ;)

Das estrelas que eu não apaguei

Publicado por Cristiano Nadai under on terça-feira, setembro 16, 2014

céu estrelasCada pessoa que passa por nós deixa um pouco de si. Há mil e uma metáforas buscando poetizar esse aprender com o outro... Hoje deixei os meus pensamentos se perderem e descobri que gosto de ver as pessoas como estrelas, que vamos guardando na constelação do nosso céu (e antes que os colecionadores e fanáticos por números me interpretem mal, lembro que um única estrela, o Sol, ilumina mais a Terra do que a amostra do universo que vemos à noite, tudo vai muito além dos números).
O brilho de cada estrela depende da marca impressa em nossa alma, o tempo, o quanto nos envolvemos, a distância (não aquela medida em metros) que ela se encontra de nós, entre outras questões que no fim são subjetivas. É natural, quando alguém se afasta de nossas vidas, muitas vezes tentarmos apagar essa estrela, projetar adjetivos e sentimentos negativos e tentar esmaga-la em nosso peito estelar... O resultado não é muito positivo geralmente, podemos esquecer, podemos achar destruí-la, mas em seu lugar pode surgir um pequeno buraco negro, a sugar energia e luz da nossa alma.
Há pessoas que em alguns momentos das nossas vidas adquirem tamanho significado que as chamaria de "solares", mas que com o passar do tempo diminuem o seu brilho por razões mil e são enviadas para a noite. Quanto maior o brilho, maior a escuridão (e amargor) de tentar destrui-la... Essas fases de transições solares são as mais escuras, mas deixo seguir o seu ciclo natural (tudo o que não é realimentado perde luz) e quando o seu brilho já não bastar para iluminar o meu dia, ela se encaminha para a noite. É um eterno ciclo de figura e fundo. Não vale inventar outros sóis para obriga-los a se encaixar e dividir o protagonismo com a estrela que desejamos ver sair de cena, ao longo do tempo seria só instaurar o caos.
Acho que, independente do tempo ou demais questões, todo mundo que passa por nossa vida pode nos trazer um pouco de luz na imensidão da noite que é a nossa existência, nem que seja ao menos para iluminar aquele pequeno trecho do caminho que pretendemos desviar... E é sempre melhor guardar mais um pontinho de luz em nosso olhar, do que inventar mágoas, indiferenças e buracos negros sem razão de ser que, como sempre, sugarão a nossa luz e não a da constelação vizinha.
Por isso, e por que sempre temos oque aprender com alguém que nos empresta parte do seu tempo (e o que é a vida, além de uma porção limitada de tempo?) que já não gasto energia escurecendo a minha alma e apagando estrelas que algum dia já brilharam mais.

/Cristiano Nadai, 2014 (talvez no mês de julho, talvez).

Em off: Acho que é só isso… E não, eu não me embriago para escrever, ao menos não com drogas…
A imagem ultilizada nessa postagem foi encontrada em diversas páginas durante pesquisa no google imagens e sem referência à original. Se alguem souber, por favor me informe.

Em meio ao breu das estrelas

Publicado por Cristiano Nadai under , , on sábado, setembro 06, 2014

[dirigindo à noite]Ligo o rádio, escolho uma canção. As melancólicas ainda são as que mais me atraem. Dessa vez seleciono Kings of Leon e “Wait for me” invade todo o ambiente enquanto acelero.
Mudei tanta coisa aqui dentro. Me perdi em esquinas e pântanos, caminhei por estradas tortas e vivi algumas fantasias para ter certeza de que  elas não me valiam de nada. Tenho errado bastante, mas por você eu me conserto. Na verdade é por mim, mas com você eu me importo mais comigo.
Preciso limpar esses vidros, não dá para enxergar muito bem o pouco que esses faróis alcançam. A estrada se tornou uma imensidão solitária e pequena em meio ao breu das estrelas. Ficar só me faz tão bem, e é quando me sinto mais perto de você e a alma transcende o corpo embriagada pela memória.
Eu gostaria tanto que você estivesse aqui e apostasse em mim… Talvez eu não seja o cara certo, mas poderia ser, ou o errado, não me importa… Isso depende do ponto de vista e eu só queria ser “o seu cara”. Mas sei, você brilha demais e eu não quero contaminar a tua luz. Pode chamar de medo, coragem, amor ou do que você quiser.
Eu  gostaria que me ensinasse de novo a ver o meu lado mais bonito, mas amor não se implora e eu não conheço as regras do jogo, só quero te oferecer sempre o meu melhor, então não vou insistir quando você prefere a minha ausência. Você ainda deve ter o meu  endereço, telefone e todos os contatos, seria fácil se quisesse, mas…
Sem mas! Vê se não demora! O rádio já vai escolher uma nova faixa, quem sabe dessa você gosta?

(Cristiano Nadai, inicio de setembro de 2014.)

- Devidos créditos: Imagem “Night Drive”, autoria de Justin Ouellette e retirada de: Chromogenic.net.
- Link do youtube para quem quiser ouvir: Wait for me - Kings of Leon. É uma das minhas trilhas para estrada… ;)

Em off: Gostaria tanto de aprender a escrever crônicas (ou seja o que for, em prosa) decentemente e sem tanto draaama, mas e a preguiça de reescrever metade do texto? :( haha – Ok, pequenas edições feitas em 17/09/14.

Sou tão clichê – Auto desintegração parte II

Publicado por Cristiano Nadai under , , on domingo, agosto 31, 2014
Cristiano NadaiSou tão clichê... All star, barba por fazer e às vezes cultivada, jeans e uma camiseta qualquer. Tímido. Pop rock, indie e alguma coisa de folk e MPB. Visão politica de esquerda, agnóstico com grande repulsa à situações que entende como manipulação da fé alheia - um tanto chato nessa parte, mas que começa a descobrir um lado espiritual - sem nome, rostos ou livros (ou partido político! - disse que era chato :P).
Humanitário, que crê no amor - que tão raras vezes pode sentir, e ainda mais raramente tocar. Aprendiz de poeta, escreveu alguns versos depois de cada (pequeno?) corte, e ao ver o amor partir, ganhou um livro - anotação mental: descobrir um jeito de pagar um preço menos caro (porque barato nunca será) pelas palavras.
Overdose de preguiça intelectual em pessoa, mas gosta de filosofia, cursou (e atua em) psicologia, e às vezes incorpora um bom leitor. Apaixonado pelo existencialismo. Gosta da diversidade e aceita as diferenças, embora menos do que o seu discurso. Brinda à imperfeição e começa a se aceitar aos poucos.
Talvez tivesse uma banda, talvez fosse fotógrafo ou desenhista profissional, talvez viveria de palavras, talvez... Se tivesse algum desses talentos.
     Sou tão clichê, mas sou tantos que sou quase original.

Pequenos pedaços do paraíso

Publicado por Cristiano Nadai under on segunda-feira, agosto 04, 2014

Horizont__by_Blutr0t 2Gosto de olhar almas. A beleza certamente atrai, mas os maiores encantos estão sempre além dos traços e curvas.  Algumas almas, de tão belas, iluminam a nossa. E por mais que os passos sigam rumos diferentes, um pouco dessa luz sempre fica.
O modo como alguém trata as pessoas e todo o universo ao seu redor, diz muito mais sobre ela do que os perfis nas redes sociais, ou a igreja que frequenta.
Não são frases feitas que trarão vida e encanto para o seu discurso. Me apaixono por olhares, não pela cor que seduz, mas pelo ponto de vista, pelo prisma único que alguns olhos conseguem ver, e expandir o nosso horizonte.
Gosto de pessoas que são pequenos pedaços do paraíso. Não só pelo sabor ou santidade, mas por nos tornar alguém melhor, por nos lembrar uma parte de nós, que as vezes nem reconheciamos mais.
Gosto de pessoas que se propõem a ser de verdade, que ainda se permitem sentir, que reaprendem com a própria história, que não se apegam aos números, e não fazem da vida e tudo mais apenas um jogo.
Há um preço, é claro... Rostos mais bonitos é fácil de encontrar, já almas, depois que você conhece bem e aprende a admirar, não se encontra algo mais belo. Até porque, não se compreende os traços complexos de uma bela alma no primeiro encontro, quem dirá em fotografias cheias de edições virtuais. É preciso tempo, o bem mais precioso que você pode dedicar a alguém.

(/Cristiano Nadai.)
Ps: Obrigado à Simone Rocha (Invólucro) pela "revisão", paciência e atenção de sempre! :D

- Devidos créditos: Imagem original “Horizont”, autoria  de Blutr0t.

Em off: Hora de voltar à prosa? Amém.

Enquanto o mundo nos devora

Publicado por Cristiano Nadai under on terça-feira, julho 22, 2014

Enquanto você se distraí com a sua novela
Se diverte e se aliena de uma só vez
Eu vou contando estrelas, vendo luzes
Que se apagam na imensidão de um morro

Preocupado e rezando para não ser
Mais uma vítima de balas perdidas
Que se encontram com corpos já cansados
De tanto procurarem  à si mesmos

   O meu espírito não se acalma, não entende
   Por mais que me amordacem, não posso me calar
   Enquanto o mundo nos devora...
   Eu não vou esperar que apaguem a última luz

Enquanto vocês conversam e dizem
Mal da última que foi embora
Eu invento desculpas pro meu filho
Que está sonhando em frente à vitrine

Tão perto e distante, nós vemos os nossos sonhos, mas não podemos pegar
Há uma parede invisível entre você e a vida
Um muro de Berlim que não nos deixa tocar o mundo
E ao deixar ver, nos faz sangrar

Nós sustentamos um estado falido, à juros de 40%
Nosso suor é mais ações na bolsa de valores

   O meu espírito não se acalma, não entende
   Por mais que me amordacem, não posso me calar
   Enquanto o mundo nos devora...
   Eu não vou esperar que apaguem, a última luz

(/Cristiano Nadai.)

Hexa ou não, ainda moro no mesmo país

Publicado por Cristiano Nadai under , on terça-feira, julho 08, 2014

Bandeira do Brasil   Ok, ainda não somos hexacampeões, passamos 90 minutos ou lamentando a partida ou exercitando o nosso lado piadista (eu incluso)... Mas nem tão ao céu, nem tanto ao mar. Foi um jogo totalmente atípico, o time alemão não me parece tão fantástico quanto o placar sugere, a base dessa seleção provavelmente estará na copa de 2018 e mais madura, em outro momento, pode conseguir um final diferente.
   Foi uma pena, é claro... Mas ainda moro no mesmo país (tão cheio de defeitos e qualidades), ainda tenho as mesmas cores pulsando nas artérias (o que não tem nada a ver com a camiseta do time da CBF). E não vai ser um placar (inesperado) no futebol que vai me fazer enxergar a realidade melhor ou pior do que é, não é o campeonato da FIFA que influenciará os números que vou digitar em outubro... E no final das contas, ainda somos o único país pentacampeão mundial.

- Devidos créditos para a imagem: retirada do site Mundocross (Não posso afirmar se é a fonte original).

(Cristiano Nadai)

Em off: Ainda escrevendo, reescrevendo e editando… rs
Em off 1: Ah, e a partir de agora, como bom sul americano, sou Argentina desde criancinha!
hehe
Em off 3: E a Alemanha já fez coisas bem mais vergonhosas do que perder de 7 x 1. E só estou falando apenas sobre a história em Copas do Mundo...

12 de junho

Publicado por Cristiano Nadai under on quinta-feira, junho 12, 2014

Mais um dia dos namorados
Mais uma data
Para estampar a minha solidão em vitrines

O comércio comemora
Nos cria roteiros para a felicidade
E vê os seus lucros aumentarem
Os bares e a industria de antidepressivos também

Mal sabemos nós...
Que por mais que estejamos com uma
Quem sabe duas ou mais pessoas
No final, sempre estaremos sós

Em off: kkkk Sem mais dramas! É que falar só de sol, felicidade e amor cansa hehe. Parabéns aos felizes casais, e nunca deixem as minhas palavras rabugentas contaminarem vocês, por favor! rs

 

Palavras ao Vento!

Versos, prosa e erros ortográficos, tudo em conflito!
Verbos se tornam pronomes e do adjetivo se faz um ser... Sob a brisa da madrugada, marés de ideias se colidem e formam Palavras (ao Vento). Se o resultado é bom ou não, só você pode dizer...

:banners:

Protected by Copyscape Duplicate Content Software

Socialize:

Add to Technorati Favorites Arts & Entertainment Blogs - Blog Catalog Blog Directory

Comentando..

Dose diária de poesia?